sábado, Janeiro 26, 2008

Informação

A Biblioteca Municipal mudou de blog.
Podes encontra-lo aqui >>
Agora os conteúdos estão mais organizados, sendo por isso mais fácil a sua consulta.
Ainda precisa de alguns ajustes, mas desde já podem comentar sobre esta mudança.
Obrigado

quinta-feira, Novembro 22, 2007

II Edição do Prémio Literário José Luís Peixoto


O “Prémio Literário José Luís Peixoto” é um concurso de âmbito internacional, aberto a cidadãos de nacionalidade portuguesa, e ainda a cidadãos naturais e/ou residentes em países de língua oficial portuguesa. Para além de homenagear o patrono do prémio, José Luís Peixoto, natural do Concelho de Ponte de Sor, o mesmo tem como objectivo incentivar a criatividade literária entre os jovens, bem como o gosto pela leitura.

Neste contexto, a Câmara Municipal de Ponte de Sor promove a 2ª edição do “Prémio Literário José Luís Peixoto” em 2008 que, por ser par, e segundo o Regulamento, se destina a premiar trabalhos inéditos na modalidade de Poesia.

Podem concorrer jovens que completem 25 anos de idade até ao dia 31 de Dezembro de 2008.

Os candidatados devem fazer chegar os seus trabalhos, à Câmara Municipal de Ponte de Sor, impreterivelmente, até ao dia 15 de Março de 2008.



sexta-feira, Novembro 09, 2007

"25 anos de Gravura" e "M'Africando"

A Biblioteca Municipal de Ponte de Sor vai inaugurar no dia 17 de Novembro de 2007 (sábado), pelas 16h30, a Exposição “25 anos de Gravura” de Catarina Castel-Branco, seguida da apresentação do livro “M’Africando” de José Cavalheiro Homem, às 17h30, com a presença do autor.

A exposição estará patente ao público até dia 17 de Julho de 2007.

Esta actividade é organizada pela Câmara Municipal de Ponte de Sor.

quinta-feira, Outubro 11, 2007

Jóias de Autor - Andreia Quelhas Lima

A Biblioteca Municipal de Ponte de Sor vai inaugurar, no dia 20 de Outubro de 2007 (sábado), pelas 17h30, a Exposição de jóias de autor de Andreia Quelhas Lima, seguida pela conferência “Composição e configuração das florestas de Portugal” pelo Eng. Paulo Godinho, às 18h30.
A exposição estará patente ao público até dia 13 de Novembro de 2007.
Esta actividade é organizada pela Câmara Municipal de Ponte de Sor, Fundação das Casas de Fronteira e Alorna e A Loja do Lopes.


Andreia Quelhas Lima nasceu no Porto em 1976.
Licenciou-se em escultura na Escola Superior de Belas Artes do Porto – ESBAP – Porto.
Frequentou o Curso Intensivo de Joalharia, Gravura, Fotografia e Cerâmica na Escola Lorenzo de Médici, Florença, Itália.
Curso de Joalharia Contemporânea – Escola Engenho e Arte – Porto.
Frequência do Plano de Estudos Avançados de Fotografia do Arco. Almada
Expõe individual e colectivamente desde 2001, Fotografia e Joalharia.
Está representada em colecções particulares e públicas, em Portugal e Holanda.
Escrever sobre alguém que nos é próximo é quase sempre falho de objectividade.
Motivo fortíssimo para que, até hoje, nunca tenha sido tentada por tal empreendimento.


Conheço a Andreia desde a sua adolescência. Na altura, já se lhe adivinhava o gosto pelo “Belo”, responsabilidade atribuída com toda a certeza aos seus progenitores, que sempre se rodearam de bons e belos objectos. Lembro-me de, sempre que estávamos juntos, calcorrearmos as ruas do Porto à procura de exposições, novos espaços de velharias, antiquários, feiras e demais manifestações, na esperança de encontrar algo único. A Andreia participava ou na procura ou então na opinião final.
Foi com grande alegria que a vi seguir o caminho da criação artística.
Escolheu escultura! Na realidade, nunca lhe faltou força física e anímica para tal empresa. Nunca desanimou na sua vontade de saber mais, apesar de, nas muitas conversas em que me deu o privilégio de ser sua ouvinte, confidente e muitas vezes conselheira – papel nem sempre fácil – me participar as suas dúvidas e dificuldades quanto ao acerto da sua escolha profissional. Ser artista tem muitas penas e algumas plenitudes. Da sua estadia em Itália, adveio-lhe o gosto pela joalharia “pequenas esculturas de usar”, segundo a própria, e pela fotografia intimista com que algumas vezes nos presenteia em exposições esporádicas. Lembro-me de andar pelas ruas de San Gimignano com caixas de cartão e panos pretos em esperas quase desanimadoras a fazer Pin-hole, um dos meios de fotografar que a Andreia utiliza.

Algumas vezes a Andreia dá-me o privilégio da troca de ideias.

O mesmo “olhar”de fotógrafo é usado para criar jóias. É extraordinária a procura da luz da composição e da forma perfeita para ser fruída. O aspecto construtivo das peças é diferenciado pelas formas lúdicas de algumas com menos preocupação utilitária e mais expositiva, ou morfológicas com a intencionalidade estética do ponto de vista do utilizador de outras. Os diferentes materiais para a construção das suas peças, sementes, frutos secos, pedras semipreciosas, vidro, seixos, metais, como a prata, o cobre e o ouro, tecidos, fitas, fios, elásticos e um sem número de coisas que reaproveita, fazem entroncar certos aspectos da sua gramática formal nos conceitos do object trouvé, ready made e arte povera.
Este modo de encarar o objecto de artista com novas perspectivas estéticas – neste caso as jóias – contribui para reabilitar as artes ditas “menores”.

Isabel Vaz Lopes
Lisboa 27 de Setembro de 2007
Jóias de Autor / Andreia Quelhas Lima

quarta-feira, Outubro 10, 2007

Informação

Ao contrário da informação anunciada anteriormente, a cerimónia do apresentação do livro “Passione”, de Pedro Lopes não se realizará na data prevista, devido ao facto de a edição do mesmo não estar concluída atempadamente.

Embora totalmente alheios a este contratempo, pedimos desculpa pelo incómodo.
Oportunamente será revelada a data do referido evento.

segunda-feira, Outubro 08, 2007

Pedro Lopes - Apresentação de "Passione"

Vai realizar-se na Biblioteca Municipal de Ponte de Sor, a apresentação do último livro de Pedro Lopes, “Passione”, dia 13 de Outubro (sábado), pelas 16h, com a presença do autor.
Esta actividade é organizada pela Câmara Municipal de Ponte de Sor.

Mar filósofo

Lancei a minha semente ao mar
Como se este fosse terra fértil
Sem saber o quanto o sal é estéril
De todos os olhos apenas os meus enganar

Esperei deitado na areia vendo barcos passar
O céu trovar, a maré encher e esvaziar
Muitas foram as luas, e calendários riscados
Tantas horas, dias, meses, e anos roubados

Tantas cartas de Amor, palavras doces, e poemas
Tudo cogitei, tudo indaguei, todos teoremas
Mas todos meus ideais foram por ti subjugados

Seguiste em frente sem remorso ou pena
Dos anos que me haviam sido roubados
Do meu património que havias delapidado


terça-feira, Setembro 18, 2007

A Caminho da Fonte do Rato – um percurso imaginado

A Biblioteca Municipal de Ponte de Sor vai inaugurar, no dia 22 de Setembro de 2007 (sábado), pelas 17h30, a Exposição de Pintura “A Caminho da Fonte do Rato – um percurso imaginado” de Coca Froes David, seguida pela conferência “A Artista e o Lavrador enquanto Jovens Cães” por António Cruz de Carvalho, às 18h30.
A exposição estará patente ao público até dia 16 de Outubro de 2007.
Esta actividade é organizada pela Câmara Municipal de Ponte de Sor, Fundação das Casas de Fronteira e Alorna e A Loja do Lopes.


Coca Froes David nasceu em 1955.
Reside e trabalha em Évora.


Exposições Individuais (selecção)

1984 – Évora. Grupo Pró – Évora
1986 – Vila Real. Fundação da Casa de Mateus (entrega do premio D. Dinis a José Saramago)
1989 – Lisboa. Clube 50
1992 – Lisboa. Clube 50
1994 – Montemor – o – Novo. Galeria Municipal
1996 – Ponte de Sor. Biblioteca Calouste Gulbenkian
1998 – Lisboa. Mercado de Santa Clara
1999 – Lisboa. Mercado de Santa Clara
2000 – Lisboa. Galeria de S. Bento 34
2002 – Évora. Galeria 21 – “Bonecas”
2002 – Lisboa. Livraria Ler Devagar – “Livros”
2003 – Ponte de Sor. Biblioteca Calouste Gulbenkian
2004 – Évora. Galeria 21 – “ Paisagens”
2006 – Estremoz. Ate Jazz Café – “Bonecas”


Exposições Colectivas (selecção)

1988 – Almancil. Centro Cultural de S. Lourenço – “5 mulheres do Alentejo”
1991 – Santiago de Compostela. (Itinerante Galiza) Espanha
1992 – Évora. Galeria Évora – Arte
1994 – Évora. I Centenário de Florbela Espanca. Grupo Pró – Évora
1998 – Évora. “Corpo. Nu. Desenho. 1” Grupo Pró – Évora
1999 – Évora. “Corpo. Nu. Desenho. 2” Grupo Pró – Évora
1999 – Lisboa. Armazém 7 – “Por Timor”
2000 – Évora. Corpo. Nu Desenho. 3” Grupo Pró – Évora
2000 – Évora. Galeria 21
2001 – Évora. “Corpo. Nu. Desenho. 4” Grupo Pró - Évora

Representada nas colecções da Fundação da Casa de Mateus, Vila Real – Fundação das Casas de Fronteira e Alorna, Lisboa – Fundação Eugénio de Almeida, Évora e Banco Internacional de Credito, Lisboa.
CAMINHO PARA A FONTE DO RATO, UM PERCURSO IMAGINÁRIO


Florestas, árvores, árvores, florestas e mais florestas.

Ainda que as árvores sejam sobreiros, estas florestas têm uma atmosfera muito diferente do que é habitual na realidade física dum montado de sobro. Uma atmosfera sombria, de floresta de contos infantis, com uma inquietação latente e, por vezes, uma tristeza que nos invade a alma. Nem sempre, porém, predomina o sombrio, a inquietação e a tristeza; há momentos em que os amarelos, bem solares, se sobrepõem aos verdes secos, às terras e aos ocres, como que num grito de revolta e numa vontade de viver que irrompe com grande força, negando tudo o que antes fora dito e deixando-nos a esperança de momentos de júbilo no meio da quase desolação.

A paleta destes quadros, em que a técnica predominantemente usada é aguarela e acrílico, nalguns casos faz-me lembrar a paleta das paisagens de Hogan, embora em tudo o mais se distanciem delas: árvores onde, em Hogan, há só campo, intimidade onde há vazio e proximidade onde há distância.

Há já longos anos que venho acompanhando o percurso da artista e querida, muito querida, amiga. Porém, ser amigo dum artista nem sempre é tarefa fácil, porque os artistas têm uma lógica interna, um percurso próprio que nunca, ou só muito raramente, corresponde àquilo que esperamos ou desejamos, mas artista é artista e, na sua arte, e sem prejuízo do diálogo mental que sempre estabelecem com os outros artistas, seguem um caminho necessariamente solitário, aliás como é próprio da sua condição de artista.

Só mais uma nota. Vejo, em certos quadros desta exposição, algo que nunca antes tinha observado nas pinturas da Coca - a emergência de elementos que apontam para uma tendência abstractizante. É caso de perguntar: "Que mais irá me acontecer?" Será que a Coca, que sempre pintou de forma eminentemente figurativa, vai passar a dedicar-se ao abstraccionismo ou, pelo menos, a um "realismo" mais distante da realidade? Talvez a Coca saiba, ou talvez não, e isso pouco significa. O futuro dirá.

Fernando Mascarenhas
Casa de Mateus
13 de Setembro de 2007

segunda-feira, Julho 16, 2007

Informação

Não vai ser realizada a Primeira Mostra da Colecção de Arte da Câmara Municipal de Ponte de Sor, cuja inauguração estava agendada para sábado, dia 21 de Julho de 2007, pelas 17h30, na Biblioteca Municipal de Ponte de Sor. Por razões de força maior a mesma foi adiada para data ainda a confirmar.

quinta-feira, Julho 05, 2007

Estrelas do Sor - XI Edição

O Festival Infantil da Canção do Concelho de Ponte de Sor “Estrelas do Sor” é uma organização da Câmara Municipal de Ponte de Sor em colaboração com as escolas do 1º ciclo do Concelho de Ponte de Sor e tem como principais objectivos estimular a criação artística e incentivar o aparecimento de novos autores, compositores e intérpretes.

Apesar do esforço desenvolvido pela Organização, não foi possível realizar a 11ª edição, no prazo estipulado pelo Regulamento (26 de Maio de 2007), devido aos constrangimentos provocados pela reduzida participação dos autores e compositores.

Assim sendo, o Júri de Selecção propôs, e a Organização aceitou, realizar a presente edição do Festival a 24 de Maio de 2008, na esperança de que, neste período alargado, seja possível reunir as canções em número e qualidade suficientes.

Para concorrer basta enviar os originais das canções, até final de Setembro do corrente ano, para Biblioteca Municipal, sito na Praça da República, nº1, 7400-232 Ponte de Sor, ou por e-mail, tendo em conta os pontos definidos no Regulamento.


- As músicas poderão ser entregues em suporte áudio ou pauta musical.
- Serão admitidas canções originais, não necessariamente em língua portuguesa, com a duração máxima de 3 (três) minutos.
- Cada autor poderá participar com as letras/músicas que entender.
- Os autores podem, se assim o desejarem, atribuir a sua canção a um intérprete (ou grupo), com a condição de terem sido previamente seleccionados.

Regulamento

quarta-feira, Junho 27, 2007

Cres'Arte - Obras

Veja aqui as obras expostas na exposição colectiva dos alunos do 1º, 2º e 3º ciclos, com trabalhos realizados nas aulas e Clube de Pintura, do Agrupamento Vertical de Ponte de Sor.